19 de julho de 2017

Colheita de milho crioulo, em Jaraguá (GO)

Camponeses fazem o preparo das sementes de milho crioulo para a comercialização, no Estado de Goiás. As famílias dos camponeses Ronivaldo, Édio e Augusto, cuidam das sementes produzidas no município de Jaraguá, na Comunidade de Chapeulândia.

Na atual safra, apenas no Estado de Goiás, as famílias ligadas ao MCP produziram mais de 160 toneladas de milho e 1 tonelada de arroz, produzidas nas 05 regiões do Estado. A destinação final para as sementes é a comercialização e distribuição das mesmas, para que outros camponeses e camponesas possam multiplicar e ao mesmo tempo, os produtores atuais gerem renda.

As sementes crioulas

Sementes crioulas são aquelas sementes cultivadas há vários anos, e em decorrência do tempo não sofreram mudanças genéticas pelo ser humano. As mudanças ocorridas são para melhorar os cultivares. No caso do milho, em algumas regiões são chamados de milho de paiol, sementes da paixão… Enfim, em cada lugar tem suas definições de acordo com a realidade. No entanto, todas são sementes que não sofreram mudança genética.

Entendemos que essas sementes em um processo de produção e reprodução, de melhoramento, no ano seguinte melhora seu potencial de produtividade. Produzir sementes crioulas é um processo de cultivo, pois a cada ano é plantada e no ano seguinte ela continua tendo seu potencial de produtividade, ou seja, a cada ano, se a semente está bem cuidada, ela aumentará ainda mais a produção. Dessa forma, garante que a família camponesa tenha autonomia, renda e alimentação limpa e também diversidade na produção.

O MCP e as sementes crioulas

O Movimento Camponês Popular – MCP, desde seu surgimento coloca a defesa das Sementes Crioulas como um de seus princípios, pois é impossível lutar por Soberania Alimentar, Autonomia Camponesa sem lutar pelas Sementes como um bem da biodiversidade, que devem pertencer e estar sobre o cuidado das famílias camponesas.

Discutir o resgate e a multiplicação das sementes crioulas é, portanto, falar da preocupação e da responsabilidade que o campesinato tem em garantir a produção de alimentos limpos e diversificados para a sua auto sustentação e para abastecer a mesa das famílias brasileiras.

As sementes crioulas, desde 1960, estão em perigo! Neste período chegou ao Brasil, vinda dos Estados Unidos, a chamada Revolução Verde, que nada mais foi que implantar um modelo contrário às experiências, à cultura e valores construídos por homens e mulheres ao longo de 10 mil anos.

As famílias camponesas vêm constantemente sendo ameaçadas pelo capital no campo, representado pelo agronegócio e é um modelo da morte! Este modelo expulsa os camponeses, envenena a terra, as águas e ameaça toda a biodiversidade.

As famílias camponesas sem as sementes crioulas são como não ter terra e água, esses três bens naturais fazem parte de um conjunto vital tanto para a sua permanência no campo, quanto para a garantia da Soberania Alimentar e da autonomia camponesa.

As sementes são fundamentais para a continuidade da vida da humanidade, e os camponeses e camponesas devem ser guardiões e guardiãs desse bem natural responsável pela vida.

Sementes: patrimônio dos povos a serviço da humanidade!

Próximos Eventos + ver tudo

28 de julho de 2017

Inauguração Moradia Camponesa, em Silvania (GO)

Comunidade João de Deus
Silvania - GO
17:00

+ saiba mais

01 de junho de 2017

Inauguração de Moradias: Guarani de Goiás

Comunidade São Pedro - Casa de Dona Mª Aparecida.
Guarani de Goiás - GO
10:00

+ saiba mais

19 de abril de 2017

Inauguração moradia camponesa – Crixás, Goiás

Faz. Quebra-Coco, casa da família da Cacilda e do Amado
Crixás - GO
a partir das 14 h

+ saiba mais

16 de abril de 2017

Sarau, Ciranda e Café

Groove Garden
Catalão - GO
15:00

+ saiba mais